Table of Contents

  1. Desenvolvedor de modelo
  2. Engenheiro de prompt
  3. Cientista de dados
  4. Oficial de ética
  5. Suporte de IA - auditoria e risco

Tempo estimado de leitura: 4 minutos

A inteligência artificial generativa está rapidamente criando novos empregos e impactando os existentes. Sebastian Mayer e Kentaro Ellert da Protiviti, e Christian Schmitz da Robert Half, discutem cinco funções criadas e influenciadas pela IA.

Em 2023, a inteligência artificial generativa abriu novas portas. Modelos de linguagem grandes, incluindo o ChatGPT da OpenAI e o Bard do Google, podem ajudar a resolver problemas, responder perguntas e fazer previsões. Essas tecnologias têm a capacidade de redigir relatórios, interpretar imagens e analisar dados. O poder de processamento e aprendizado delas estão ajudando a desencadear novos modelos de negócios.

Mas é sempre importante lembrarmos de um detalhe fundamental: a IA generativa é tão boa quanto os dados que possui. Portanto, a qualidade e a ética desses dados realmente importam, especialmente quando impactam decisões do mundo real.

Neste artigo, exploramos cinco funções criadas e influenciadas pela Inteligência Artificial. Desde as habilidades técnicas dos desenvolvedores de modelos, engenheiros de prompt e cientistas de dados, a IA generativa terá um impacto profundo nos profissionais de TI. Mas também influenciará equipes de conformidade, auditoria e risco. No futuro, tanto a expertise técnica quanto a ética serão fundamentais.

Desenvolvedor de modelo

Os desenvolvedores de modelos são os especialistas técnicos que criam soluções de IA. Por exemplo, eles podem desenvolver uma ferramenta para auxiliar no processamento de faturas. Também vimos a Inteligência Artificial treinada para avaliar reclamações de seguros usando imagens de carros danificados e mapas de satélite de danos causados por furacões. A lista de casos de uso potenciais é longa. Para quem deseja atuar como desenvolvedor de modelos, as habilidades desejáveis são saber programar e ter experiência no desenvolvimento de modelos estatísticos. 

Leia também: Como a inteligência artificial está impactando o recrutamento

Engenheiro de prompt

Os engenheiros de prompt são os tradutores entre IA e humanos; eles comunicam o que querem, ou esperam, que a IA execute. Se uma empresa quiser desenvolver um artigo utilizando o ChatGPT, por exemplo, uma simples frase de prompt não será suficiente. O profissional obterá melhores resultados se souber como pedir uma estrutura, cinco pontos-chave e especificar o comprimento de cada resumo.

Acreditamos que os engenheiros de prompt virão de um background em TI porque precisam entender como esses modelos funcionam. Não existe um curso ou diploma universitário em engenharia de prompt, portanto, nos próximos cinco anos é esperado que eles venham de cursos de ciência de dados e ciência da computação.

Cientista de dados

Os cientistas de dados são a ponte entre dados brutos e a inteligência que eles criam. Eles garantem que novas ferramentas sejam construídas usando dados bons e limpos; eles constroem efetivamente a base na qual os desenvolvedores de modelos podem trabalhar.

No passado, os cientistas de dados garantiam que os dados certos estivessem no lugar correto; agora eles também estão considerando o viés dos dados. No futuro, bons dados precisarão ser dados éticos, e o papel do cientista de dados se expandirá nessa direção.

Oficial de ética

Os oficiais de ética garantirão que o uso da IA e seu impacto nos funcionários e clientes sejam justos e equilibrados. Por exemplo, se uma empresa quiser desenvolver uma ferramenta de IA para recrutamento, mas os dados históricos disponíveis tenderem a favorecer homens brancos entre 30 e 40 anos, por exemplo, isso significa que existe viés na nova ferramenta.

O viés impactará as chances de um resultado justo e ético. Os oficiais de ética virão de um background de conformidade, mas naturalmente desenvolverão habilidades técnicas ao longo do caminho.

Você pode gostar de: Inteligência Artificial: como será o mercado de trabalho do futuro

Suporte de IA - auditoria e risco

Os processos de auditoria e risco mudarão devido à IA. No passado, por exemplo, um auditor de software seguiria uma série de etapas bem estabelecidas. Mas, com a IA, os auditores de TI precisarão entender como os algoritmos e a tecnologia de autoaprendizagem (machine learning) funcionam.

O que acontece se a IA desenvolver propriedade intelectual? De quem é? Como a IA influenciará a cibersegurança e quais riscos ela trará? As equipes de auditoria e risco precisarão entender dados bons e ruins, como os modelos são construídos e a ética das novas ferramentas.

Sebastian Mayer é Diretor de Mercado na Protiviti, com mais de doze anos de experiência em consultoria de TI, segurança da informação, auditoria de TI e Consultoria SAP & ServiceNow.

Kentaro Ellert é Gerente de, Especialista em IA e Regulamentação de IA na Protiviti. Ele é especialista em conformidade para Inteligência Artificial e apoia empresas na construção de Governança e Sistemas de Gerenciamento de Conformidade de IA holísticos.

Christian Schmitz é Chefe de Tecnologia da Alemanha na Robert Half. O especialista em tecnologia tem assessorado empresas de todos os setores em todos os aspectos de TI e seus programas de digitalização, com foco em consultoria e recrutamento, incluindo líderes de mercado globais e empresas DAX40.