O dilema dos modelos de trabalho na era pós-pandemia

  1. A preferência da maioria é pelo modelo híbrido
  2. As vantagens do modelo híbrido
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Enquanto a maioria dos profissionais busca flexibilidade, muitas organizações vêm se posicionando abertamente a favor do retorno integral aos escritórios.

A 27ª edição do Índice de Confiança da Robert Half (ICRH), estudo trimestral que monitora o sentimento profissionais e recrutadores em relação ao mercado e à economia, mapeou minuciosamente o tema no início do ano.

Diante da pergunta “você buscaria um novo emprego caso a empresa não oferecesse uma modalidade de trabalho ao menos parcialmente remota?”, os profissionais passaram seu recado. 

Guia Salarial da Robert Half

No Guia Salarial da Robert Half você encontra a mais completa pesquisa salarial e um estudo sobre tendências de contratação no mercado brasileiro.

Acesse o guia!

Para 43% a resposta foi sim, mas permanecer na empresa atual seria uma opção enquanto não encontram uma outra oportunidade. Para 22%, porém, esse é um fator crucial, que os fariam deixar a companhia.

A preferência da maioria é pelo modelo híbrido

O modelo híbrido com quantidade de dias presenciais e remotos predefinidos é o mais frequente nas organizações atendidas pelos recrutadores entrevistados, alcançando 43% deles. Já o híbrido com flexibilidade para o profissional decidir os dias presenciais acontece em 15% dos casos.

Confira também: Modelos de estrutura organizacional: conheça os principais

Nos extremos desse leque de opções, o modelo 100% presencial é o preferido de 35% das empresas, enquanto o totalmente remoto é praticado por apenas 7% das organizações que participaram do estudo.

Quando perguntados sobre os desafios de gestão do trabalho 100% presencial, os recrutadores destacaram os seguintes pontos:

  • equilibrar a necessidade de interação presencial com a flexibilidade desejada pelos funcionários;
  • lidar com possíveis resistências à cultura presencial em um cenário mais flexível;
  • manter a comunicação eficiente;
  • adaptar-se às mudanças nas expectativas dos funcionários em relação ao trabalho presencial;
  • garantir a segurança e saúde dos funcionários no ambiente de trabalho físico.

Já ao analisar os desafios da gestão 100% remota, os recrutadores apontaram:

  • promover a comunicação clara e eficaz em um ambiente virtual;
  • manter a equipe engajada e motivada à distância;
  • assegurar a segurança da informação em ambientes remotos;
  • gerenciar efetivamente o desempenho dos funcionários sem uma presença física constante;
  • monitorar a carga de trabalho para evitar o esgotamento dos colaboradores.

Sobre os desafios dos gestores com o trabalho híbrido, foram indicados como principais aspectos:

Leia também: Onboarding remoto: como funciona e quais são as 5 melhores práticas?

  • gerenciar a comunicação de maneira a manter todos os membros da equipe informados e envolvidos;
  • equilibrar efetivamente a colaboração entre equipe presencial e remota;
  • promover a colaboração e a coesão da equipe;
  • dosar a necessidade de interação presencial com a flexibilidade desejada pelos funcionários;
  • manter a comunicação eficiente em um ambiente presencial

Também questionamos os recrutadores sobre as métricas utilizadas pela empresa em que trabalham para avaliar a eficácia do modelo atual. Os cinco métodos mais citados foram:

  • medição da produtividade individual e da equipe;
  • avaliação da satisfação e engajamento dos funcionários;
  • análise de indicadores-chave de desempenho (KPIs) específicos do setor;
  • taxa de retenção de talentos e turnover;
  • avaliação da eficiência na gestão do tempo e entrega de projetos.

As vantagens do modelo híbrido

Na minha visão, nas funções em que é viável, o modelo híbrido é uma excelente solução a médio e longo prazo. Ele propicia o melhor dos dois mundos: interação, colaboração, autonomia e liberdade.

Em diversas pesquisas, a flexibilidade aparece como um dos principais anseios dos trabalhadores atualmente. Reuni, abaixo, algumas vantagens de flexibilizar horários, local de trabalho etc:

  • melhores resultados nas estratégias de atração e retenção de talentos;
  • redução do turnover;
  • mais tempo para o funcionário se cuidar e manter-se bem física e emocionalmente;
  • demonstração de confiança na autonomia, iniciativa e responsabilidade das equipes.

É vital que as organizações sintonizem o radar nas mudanças ao redor do mundo e nas demandas de seus próprios funcionários. Cada tipo de atividade tem suas características, e elas devem ser respeitadas. Mas manter a mente aberta para conhecer, debater e, se for o caso, testar novidades é um bem-vindo sinal de maturidade das empresas.

ESTÁ CONTRATANDO?

Envie sua vaga!

Saiba como os recrutadores da Robert Half podem ajudar você a construir uma equipe talentosa de colaboradores ou avançar na sua carreira. Operando em mais de 300 locais no mundo inteiro incluindo nossas agências de empregos de São Paulo. A Robert Half pode te fornecer assistência onde e quando você precisar.